Unidade moral, mudanças, terreno, líder e processos – A arte da guerra

Cinco aspectos importantes que regem o sucesso em projetos, implícitos (nem tanto), no livro a Arte da Guerra: Unidade moral, Mudanças, Terreno, Líder e Processos.

Um exemplo forte no relato de uma passagem na vida do general chinês Sun Tzu, ao demonstrar sua técnica militar para o Rei de Wu.

Sun Tzu, cujo nome era Wu, era natural de Wu. Excelia em estratégia militar mas habitava em segredo muito longe da civilização, o que tornava sua habilidade desconhecida das pessoas comuns. Wu Tzu-hsu, ele mesmo culto, sábio e pleno de discernimento, sabia que Sun Tzu podia penetrar e destruir o inimigo. Em uma manhã, quando discutia assuntos militares, recomendou Sun Tzu sete vezes. O Rei de Wu disse: “já que encontraste uma justificativa para propor esse oficial, quero que ele seja arazido aqui.” Questionou Sun Tzu sobre estratégia militar e a cada vez que ele expunha uma seção de seu livro, o rei não se cansava de o louvar.

Extremamente satisfeito, indagou: “Se possível, gostaria de um pequeno teste de sua estratégia militar.” Sun Tzu disse: “É possível. Podemos conduzir um pequeno teste com as mulheres do palácio.” O rei disse: “De acordo.”

Sun Tzu disse: “Gostaria que duas das amadas concubinas de Vossa Majestade atuassem como comandantes de companhia, cada uma para dirigir uma companhia.” Ele ordenou que todas as 300 mulheres usassem capacetes e armaduras, que portassem espadas e escudos e que se colocassem em pé. Instruiu-as sobre métodos militares, que de acordo com o tambor elas deveriam avançar, retirar-se, ir à direita ou à esquerda, ou virar-se. Informou-as sobre as proibições e então ordenou: “À primeira batida do tambor deveis todas juntar-se, à segunda batida deveis avançar com suas armas e, à terceira, dispor-se em formação militar.” Com isso, todas as mulheres do palácio cobriram suas bocas e riram.

Sun Tzu, então, pegou das baquetas pessoalmente e bateu no tambor, dando as ordens três vezes e explicando-as cinco vezes. Elas riram como antes. Sun Tzu viu que as mulheres riam continuamente e que não parariam. Sun Tzu estava enfurecido, seus olhos de súbito se arregalaram, sua voz soava como um tigre aterrorizante, seus cabelos ficaram em pé sob o quepe e seu pescoço rompeu as borlas laterais. Disse ao Mestre de Leis: “Traga os machados do executor.”

Sun Tzu então disse: “Se as instruções não são claras, se não se acredita nas ordens, a falta é do general. Quando já foram instruídas três vezes e as ordens explicadas cinco vezes, se ainda assim as tropas não agem, a falta é dos oficiais. De acordo com as normas de disciplina militar, qual é o procedimento?” O Mestre de Leis disse: “Decapitação!” Sun Tzu então ordenou que as comandantes das duas companhias, as concubinas favoritas do rei, fossem decapitadas.

O Rei de Wu subiu em sua plataforma para observar justamente no momento em que suas amadas concubinas estavam prestes a ser decapitadas. Mandou um oficial descer às pressas com ordens para dizer: “Já sei que o general é capaz de comandar as forças. Sem essas duas concubinas, minha comida não será doce. Seria apropriado não as decapitar.”

Sun Tzu disse: “Já recebi minha ordem para exercer a função de general comandante. De acordo com as regras para os generais, quando eu, enquanto general, estou no comando do exército, mesmo se ditares ordens a mim, não tenho que aceitá-las.” Fez, então, com que se fossem decapitadas.

Bateu novamente o tambor, e as mulheres foram para a esquerda e para a direita, avançaram e retiraram, e se viraram de acordo com os padrões prescritos sem ousarem um piscar de olhos. As duas companhias estavam em silêncio e não se atreviam a olhar para os lados. Com isso, Sun Tzu anunciou ao Rei de Wu: “O exército já está bem organizado. Gostaria  que Vossa Majestade o observasse. Como quer que o desejes empregar, mesmo que o mandes para o fogo e para a água, não apresentará dificuldades. Pode ser utilizado para ordenar Tudo que há sob o Céu.”

O Rei de Wu tornou-se repentinamente insatisfeito. Disse: “Sei que exceles no emprego do exército. Mesmo que eu possa com isso tornar-me hegemônico, não há lugar para o colocar em prática. General, por favor dispensa o exército e retorna para onde habitas. Estou relutante em ir adiante.”

Sun Tzu disse: “Vossa Majestade só gosta de palavras; não é capaz de compreender sua substância.” Wu Tzu-hsu protestou: “Ouvi que o exército é um negócio desfavorável e não pode ser testado de modo irresponsável. Assim, se se forma um exército mas não se vai adiante para lançar um ataque severo, então, o Tao militar não será claro. Ora, se Vossa Majestade procura sinceramente por oficiais talentosos e quer mobilizar o exército para executar o brutal estado de Ch’u, tornar-se hegemônico de Tudo o que há sob o Céu e intimidar os senhores feudais, se não empregar Sun Tzu como seu general, quem poderá vadear o Huai, cruzar o Ssu e atravessar mil quilômetros para travar batalha?”

MARTINS FONTES; A arte da Guerra. 1. ed. – 2002, p. 6-9.

Sobre Quirino

Desenvolvendo e integrando sistemas desde 2001. Um entusiasta do Marketing Digital, com experiência em projetos de e-commerce.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *